Música Música David Bowie - Blackstar

David Bowie - Blackstar

Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

O epitáfio de David Bowie.

 

 

 

 

 

 

Blackstar, David Bowie

por Marcelo Costa

No dia 31 de dezembro, o mundo foi novamente surpreendido: “Blackstar”, o vigésimo quinto álbum de estúdio de David Bowie havia caído na “rede mundial de computadores”, uma forma exemplar de se despedir de um ano difícil e criar esperança para o que virá. Agendado para chegar ao mercado no aniversário do músico, na próxima sexta-feira, 08 de janeiro, “Blackstar” é o segundo álbum de Bowie nesta década (“Next Day”, o anterior, foi lançado em 2013 rompendo um silêncio de 10 anos!), e traz o Camelão em sua melhor forma, aqui acompanhado do inseparável Tony Visconti, membros da Maria Schneider Orchestra e até James Murphy, do LCD Soundsytem, que faz a percussão de duas faixas.

No total, “Blackstar” traz sete canções em pouco mais de 40 minutos de duração. Três faixas já eram conhecidas (“Sue” e “Tis a Pity She Was a Whore” foram lançadas digitalmente em 2014 e “Lazarus”, presente no musical off-Broadway de mesmo nome), mas surgem revigoradas, com Bowie chocando a pegada free jazz dos músicos da Maria Schneider Orchestra, que era mais intensa nas primeiras versões das canções liberadas anteriormente, e aqui soa incorporada a sonoridade Bowie pós “Young Americans” / “Station To Station” (1976), um mix de funk branco espacial e eletrônico que soa como se o Kraftwerk encontrasse John Coltrane em algum buraco negro perdido no universo e quisesse ninar estrelas cadentes.

O cartão de visitas de “Blackstar” veio na forma da faixa título, divulgada através de um clipe sombrio em novembro do ano passado com quase 10 minutos de art rock, lirismo e melancolia lunar (a faixa tinha 11 minutos, mas Bowie e Tony Visconti tiveram que diminui-la para 9m57s porque o iTunes não vende individualmente canções acima de 10 minutos!). O clipe desta pequena epopeia melodramática traz uma improvável mulher de vestido e cauda analisando o corpo de um astronauta caído e se decompondo sob a luz do sol eclipsada pela lua enquanto espantalhos humanos preveem a tempestade. Na letra, Bowie lamenta: “no centro de tudo, seus olhos”.

Segunda faixa liberada de “Blackstar”, no meio de dezembro, “Lazarus” mantém o ritmo da faixa título com batidas cadenciadas, embalando alguém que tenta, desiquilibradamente, dançar na lua: os passos são lentos, a condução é esparsa e a tempestade surge na forma de um solo desesperado de sax de Donny McCaslin. O personagem avisa que está no céu e que “tem cicatrizes que não podem ser vistas”, vive “dramas que não podem ser roubados”. A sensação de claustrofobia vai crescendo, mas David Bowie brada, tentando se convencer: “Vou ficar livre”. No purgatório, Lazarus sacaneia: “Eu estava olhando a sua bunda”.

Além das duas faixas lançadas oficialmente há outras duas canções lançadas em 2014: “Sue (Or in a Season of Crime)”, presente na coletânea tripla “Nothing Has Changed” (vídeo abaixo), e seu lado B, “Tis a Pity She Was a Whore”. Porém, ambas surgem em versões ligeiramente modificadas em “Blackstar” (compare!). Guitarras sujas são colocadas à frente e se fundem com a bateria seca e o arranjo free jazz na nova versão de “Sue (Or in a Season of Crime)” enquanto “Tis a Pity She Was a Whore” (que abre dizendo: “Ela me deu um soco como um cara”) soa mais climática, ainda que mantenha sua característica de dança na superfície da lua.

Entre as totalmente inéditas há a insinuante “Girl Loves Me”, que choca frases de “Laranja Mecânica”, o livro de Anthony Burgess que inspirou o filme de Stanley Kubrick, com palavras da gíria Polari, muito usada por gays britânicos, prostitutas, marinheiros, atores e criminosos entre os séculos 16 e 19. “Dollar Days” foi escrita no estúdio e é uma balada nervosa que combina um bonito arranjo de sax com batidas de violão cristalinas enquanto Bowie canta: “Estou tentando, estou morrendo de vontade, ou será que estou morrendo também?”. Fechando o álbum, “I Can’t Give Everything Away”, a canção de levada mais alegre do disco, com direito a solo de guitarra e vocais espaciais.

Prestes a completar 69 anos, David Bowie continua sua missão de criar trilhas sonoras para se ouvir sentado numa cratera da lua (ou, quem sabe, bebendo água em Marte). Ainda que acrescente free jazz ao seu futurismo, “Blackstar” (que merece audição cuidadosa via fone de ouvidos) soa como uma sequencia natural tanto de “Station to Station” quanto da trilogia “Low”, “Heroes”, “Lodger” (1977, 1977 e 1979, respectivamente), dos bons álbuns noventistas (“Outside”, “Earthling” e “Hours”) e também do recente “The Next Day” (2013), comprovando que Bowie continua genial em estúdio. Só resta voltar aos palcos do Planeta Terra. Nós, meros mortais, aguardamos.

( Fonte : www.screamyell.com.br )

"David Bowie: Um daqueles álbuns que marcam uma geração

Por André Espínola

Como é possível para um artista beirando os 70 anos, dono de uma carreira excepcional de cinco décadas em todo e qualquer sentido, manter-se ainda ambicioso? A revista Uncut colocou uma enquete com 59 escritores e editores para saber os 200 melhores álbuns de todos os tempos. David Bowie foi o artista que teve mais menções (7 de seus álbuns estão entre os duzentos melhores da história; Beatles foi mencionado 6 vezes; The Cure, Bob Dylan e Neil Young, 5 vezes; The Rolling Stones, The Velvet Underground, 4 citações). Um artista desse nível, no sentido completo do termo, baseia sua motivação em continuar em termos de relevância, ou seja, em que pode contribuir ainda mais para permanecer relevante.

É com essa reflexão que começo falando do novo álbum de David Bowie, Blackstar (★), seu 25º álbum de estúdio. As resenhas iniciais das revistas especializadas mostram um entusiasmo e aclamação que os últimos trabalhos de Bowie, apesar de serem ótimos álbuns, não havia alcançado de forma tão unânime. A revista Rolling Stone definiu ★ como “O artístico e inquietante ‘Blackstar’ é a melhor obra prima anti-pop de Bowie desde os anos setenta”; o jornal The Independent afirma que “Blackstar é o mais longe que ele já se desviou pop”; A revista Uncut chama atenção para a amplitude do álbum “Jazz metal! Musical! Transformações sobrenaturais! Bem vindo ao (mais novo) ano zero de Bowie”; O New York Times é mais suscito e atesta: “Pegando o jazz de inspiração”. Todas essas resenhas exaltam em ★ componentes presentes nos álbuns mais clássicos da carreira de Bowie apontados na lista acima e elementos de uma ruptura completa com os trabalhos mais recentes, sugerindo uma nova fase na carreira de David Bowie.

Bowie é dono de uma das carreiras mais diversificadas do mundo da música. Artista inquieto, curioso, inventivo e completo, o camaleão do rock nunca ficou muito tempo confinado num único estilo. Normalmente, esses ciclos duram em torno de três álbuns, até que uma nova transformação esteja maturada. O último desses ciclos é representado por um Bowie tentando revisitar momentos clássicos de sua trajetória, um rock mais tradicional, e, por conseguinte, menos aventuroso. Os discos Hours, Heathen e Reality, de 1999, 2002 e 2003, respectivamente, são os frutos desse ciclo. Após um hiato de dez anos, David Bowie voltou surpreendentemente em 2013 com o álbum The Next Day, que pode se situar em um meio termo nessa linha de evolução. Ao mesmo tempo em que revisita Bowies do passado, The Next Day não se limita ao Bowie clássico, mas sim tenta fazer uma grande síntese de sua carreira (se é que é possível). Mas não apenas isso; mostrou um Bowie inventivo e com um olho no futuro, o que foi logo em seguida comprovado com a coletânea lançada Nothing Has Changed, de 2014. Numa faixa (a única inédita) em especial desta coletânea estava o embrião para uma nova fase, uma nova transformação na carreira de David Bowie. “Sue (Or In a Seasonof Crime)” apresentou um som completamente novo, mesmo em termos de Bowie. Seria essa a tal nova direção para a qual sua mente estava agora voltada? Outra faixa que surgiu como seu lado-B mostrou que essa aventura não havia sido isolada; “Tis’ A Pity She Was a Whore” tinha a mesma pegada estranha, um jazz eletrônico e tomado por solos de saxofone livres e dissonantes. Pouco sabíamos o que se passava na cabeça de Bowie (e menos ainda saberemos cada vez mais). Até que em meio a participação de trilha sonora de série (The Last Panthers) e de uma peça de teatro (Lazarus), David Bowie anuncia o lançamento de um novo álbum, chamado de Blackstar (é, na verdade, uma única estrela negra, ★), junto com o clipe cinematográfico, sombrio e misterioso, com dez minutos de duração, da música de mesmo nome que já ultrapassou as cinco milhões de visualizações no youtube. A partir daí ficamos sabendo um pouco da história por trás do álbum ★.

A aproximação com o jazz foi determinante para o surgimento de ★. As raízes já estavam criadas, mas foi depois do encontro – e posterior convite para compor a banda – de Bowie com o saxofonista DonnyMcCaslin que deu corpo à idealização do novo projeto. Donny já tem sua própria carreira solo, com dez álbuns lançados, e, depois de Bowie assistir de surpresa a uma apresentação sua em Nova York, passou a integrar a banda que gravou ★, junto com os integrantes de sua própria banda, como o tecladista Jason Lindner, o baixista Tim Lefebvre, o percussionista Mark Guiliana e o guitarrista Ben Monder. Tirando o produtor e amigo Tony Visconti, toda a equipe da banda era totalmente nova para David Bowie.

Passemos agora, de fato, para a análise das sete músicas que compõem Blackstar, fazendo dele um dos discos mais concisos da carreira recente de Bowie (apenas quarenta minutos). A faixa de abertura é a já conhecidíssima “Blackstar”, que tem uma das alterações mais incríveis no meio de uma música. A ponte em que Bowie começa a cantar acompanhado pelo piano e que vai crescendo é simplesmente genial. Uma música dentro da música de forma teatral. O fato de conhecermos previamente duas das sete músicas servia quase como um anticlímax, ao menos até “Tis’ a Pity She Was A Whore” começar totalmente repaginada. A explicação está intimamente ligada à história de ★; a faixa que era previamente conhecida foi gravada em 2014 com a banda Maria Schneider Orchestra (que tinha Donny como saxofonista solo), um experimento pós-moderno de jazz. Como foi dito acima, ela e “Sue (Or In a Season Of Crime)” serviram para indicar a Bowie um caminho certo a seguir. Em ★, ambas ganharam novas versões com DonnyMcCaslin como líder da banda, o que deu uma liberdade maior para seu sax flutuar livremente pelas músicas. Embora as duas tenham perdido um pouco de tempo de música (dá vontade que tivessem mais de dez minutos cada), o resultado ficou ainda melhor. A produção deixou as duas mais limpas e dá para ouvir mais claramente a overdose de sons que passeiam freneticamente pela música, com solos asfixiantes de sax (em alguns momentos de “Tis’ A Pity SheWas a Whore” dá para ouvir Bowie soltando vários “Woo” deempolgação) e o momento mais rock n’ roll do disco, ao final de “Sue (Or In a Season Of Crime)”, com guitarras distorcidas relembrando um pouco do rock industrial dos meados da década de 90. A faixa seguinte, “Lazarus”, que foi uma das quatro novas músicas compostas por Bowie para o musical de mesmo nome (mas a única que entrou na seleção final de ★), é mais simples – ou melhor, direta – do que as anteriores, focada mais na melodia, mas ainda com espaço para o sax de Donny se destacar, especialmente na metade final.

A quase robótica “Girl Loves Me” é a mais estranha do álbum, com a letra quase irreconhecível, com palavras coletadas da obra Laranja Mecânica e gírias do chamado Polari, utilizado pela comunidade artística e membros da subcultura gay da Londres de meados do século XX, mas com um ritmo muito interessante. “Dollar Days” é o mais próximo de uma balada aqui, com um piano delicado e simplesmente um solo incrível de saxofone. E parafechar o álbum de forma épica, “I Can’t Give Everything Away” parece desvendar um dos grandes mistérios de Bowie (ou não): “Saying more and meaning less / Saying no but meaning yes / This is all I ever meant / This is the message that I sent”. Nunca isso ficou tão claro – ou, na verdade, obscuro – quanto em ★. As temáticas são soltas, enigmáticas, cheios de personagens (às vezes mais de um por música, como em “Blackstar”) e transformações esquisitas. Não existe um fio condutor temático em Blackstar; existe um pouco de tudo: o sobrenatural em “Blackstar” (“Something happened on the day he died/Spirit rose to leave him and stepped aside”); imagens violentas em “Tis’ A Pity She Was a Whore” (“Man, she punched me like a dude/Hold your mad hands, I cried); cenas de assassinato em “Sue (Or In a Season of Crime); uma letra quase criptográfica como em “Girl Loves Me”; ou a reflexão cheia de nostalgia sobre a luta contra a morte de “Dollar Days” (“Dollar days 'til final checks, honest scratching tails the necks I'm falling down”).

Pelo resultado encontrado em ★, tudo indica e espera-se que de fato seja a inauguração de uma nova fase da carreira de David Bowie; os próximos passos, como sempre são quando se está falando de David Bowie, são imprevisíveis. Enquanto isso cabe a nós recolher as riquezas do disco a cada vez que o colocamos para tocar. Somente o distanciamento histórico necessário será capaz de definir a posição de ★ no hall de clássicos de David Bowie; mas algo muito forte sugere que estamos diante de um álbum daqueles que marcam uma geração.

Tracklist:
1."Blackstar"
2."'Tis a Pity She Was a Whore" 
3."Lazarus" 
4."Sue (Or in a Season of Crime)" 
5."Girl Loves Me" 
6."Dollar Days" 
7."I Can't Give Everything Away"


( Fonte:  http://whiplash.net/materias/cds/236405-davidbowie.html#ixzz41rrO3G00
Follow us: @Whiplash_Net on TwitterWhiplash.Net.Rocksite on Facebook)

AddThis Social Bookmark Button

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

In order to view this object you need Flash Player 9+ support!

Get Adobe Flash player
Joomla! Slideshow
© 2006 - 2016 Letras e Livros. Todos os direitos reservados. - Este site é gerenciado por:

O site Letras & Livros.com.br é uma iniciativa de Vladimir Lima Araújo e sem fins lucrativos. Este espaço não tem vinculação a nenhuma editora, gravadora ou publicação e possui como objetivo maior a divulgação de matérias referentes à literatura em geral. Aguardamos dos que nos derem o prazer da visita, críticas, sugestões, comentários e idéias, que serão sempre bem vindas. Desde já, o nosso muito obrigado. As opiniões emitidas em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos seus autores e não refletem, necessariamente, a posição deste site.